Solidariedade: Vó Flor cuida das crianças enquanto pais trabalham

Compartilhe com os seus amigos

Alô, Comunidade! Vamos conhecer um pouco da história da Associação Beneficente Vó Flor que atende, diária e gratuitamente, cerca de 30 crianças, cujos pais são, na maioria, trabalhadores informais.

A creche comunitária,  que é localizada na Ribeira, em Salvador, foi fundada em 1978 pela aposentada Florenice Santos Gomes, a Vó Flor.

Hoje, aos 89 anos, a idosa oferece, além do próprio nome, modelo de solidariedade que perpassou a si mesma e chegou à filha caçula, a professora Soraya Fonseca, 53, atual gestora.

“Comecei aos 10 anos ajudando minha mãe. É uma vida de doação, mas não me arrependo. Assim como me preocupo com meus filhos, eu também olho para essas crianças e sinto a necessidade de fazer alguma coisa por elas”, diz Soraya.

Assistência ampla

As ações da Vó Flor não param no público assistido na creche: a instituição ainda presta assistência a outras 43 crianças da comunidade e doa cestas básicas a idosos de baixa renda.

Apesar da confusão criada com a divulgação incorreta em sites de busca, a casa deixou de ser orfanato em 2008: todos que são atendidos lá vão embora no fim do dia, com exceção de seis crianças, que ficam com as mães, por não terem onde morar.

Hoje promotora de vendas, Matilde Gomes, 22, foi uma das quase três mil crianças já criadas no Vó Flor.

Embora tenha se estabelecido financeiramente, ela sempre está por lá, onde, além de atuar como voluntária, deixa o filho de 6 anos: “É muito importante saber que vai trabalhar e o filho estará em um lugar onde é bem tratado”.

A renda do Vó Flor vem principalmente da doação de grupos filantrópicos, empresas e da aposentadoria da fundadora.

De todas as dificuldades enfrentadas pela instituição, conseguir dinheiro suficiente para pagar contas de água, luz, telefone, IPTU e aluguel é a pior, segundo Soraya.

Como boa parte das doações se concentra em alimentação e roupa, arrecadar recursos nem sempre é possível.

Campanha

A gestora divulga a “Campanha Doe Amor, Vamos Regar Essa Flor”. A iniciativa pede a contribuição mensal de R$ 30 para quitar boletos e dar início a alguns sonhos, como a criação de aulas de costura, capoeira e música.

 

Foto: Jornal A Tarde

Informações A Tarde

 

 


Siga o Comunidade Notícia no Facebook e Instagram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *